Biocombustíveis – a favor, contra ou nem por isso…


Existem algumas culturas designadas por energéticas, uma vez que são utilizadas para produção de biomassa usada como fonte de energia eléctrica, térmica e de biocombustíveis.

Dois dos biocombustíveis mais conhecidos, são:
Biodiesel – éster metílico produzido a partir de óleos quer animais quer vegetais, sendo neste último caso as plantas do tipo oleaginosas como girassol, colza, cardo ou soja;
Bioetanol – etanol produzido a partir de plantas amiláceas (de onde se extrai o amido) como trigo, sorgo sacarino, milho, batata e beterraba sacarina.

Em Portugal, ainda é escassa a produção de matéria para esta indústria, pelo que a maioria das vezes, ou se importa o biocombustível pronto a ser utilizado ou se importa a matéria prima para ser transformada (nesta situação há uma ligeira vantagem económica, uma vez que se está a contribuir para o desenvolvimento de novas indústrias e para a criação de alguns postos de trabalho no país).

Mas serão os biocombustíveis uma real alternativa ecológica aos combustíveis fósseis?

Estes combustíveis são apontados como uma das soluções para a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa a curto prazo.
No entanto, quer a sua produção como a comercialização continuam a ser debatidas face a algumas questões éticas como:
- se a produção do biocombustível não for local, se estar apenas a substituir uma importação por outra, com todos os custos ambientais que isso acarreta;
-  a utilização de terras agrícolas para produções energéticas, quando podem ser necessárias para produções com fins alimentares;
- a utilização intensiva dos solos além de promover a libertação de GEE em maior escala que um terreno em pousio, levar a um aumento do uso de produtos químicos de síntese onde já foram gastas elevadas quantidades de combustíveis fósseis para a sua produção;
- se estarem a fazer desflorestações, muitas das vezes ilegais e em áreas consideradas “pulmão da humanidade” para que os terrenos sejam cultivados com estas plantações alternativas.

A app OpenPD com as suas funcionalidades, pode ajudar a minorar uma destas questões, ao promover a identificação de pragas e doenças e ao permitir alertas de epidemias potenciais…

Deixe-nos a sua opinião via blog (http://blog.openpd.eu/ou) ou FB (https://www.facebook.com/openpdnet/).

Fontes:



0 comentários :

Enviar um comentário