Soutos e castinçais ameaçados pela Vespa-das-galhas-do-castanheiro

Quem quer quentes e boas, quentinhas?
Este famoso pregão para as deliciosas castanhas que nos aquecem no Inverno, pode deixar de se ouvir se a praga que ataca os soutos e castinçais um pouco por toda a Europa (principalmente na região mediterrânica), Ásia e América do Norte, não for controlada.
O insecto, de seu seu nome Dryocosmus kuriphilus, ataca plantas do género Castanea (e também castanheiros-da-Índia - Aesculus hippocastaneum) e embora não provoque danos directamente nos frutos, induz a formação de galhas nos gomos e folhas o que leva à redução do crescimento dos ramos e a uma menor frutificação, podendo desta forma diminuir drasticamente a produção e a qualidade da castanha, conduzindo ao declínio dos castanheiros.
Principais sintomas
Nas primeiras fases do período larvar, os sintomas não se conseguem detectar por simples observação visual. Só com o aparecimento das galhas, nos ramos mais jovens, nos pecíolos ou na nervura central das folhas, geralmente a partir de meados de Abril é que se percebe a presença do insecto.
As galhas correspondem ao intumescimento dos tecidos e podem medir entre 5 e 20 mm de diâmetro. Têm uma coloração inicial esverdeada que vai passando depois para rosada, tornando-as mais visíveis. Após a emergência das fêmeas, as galhas secam e podem permanecer na árvore durante dois anos, sendo também visíveis
Ciclo de vida da praga e dispersão
Os insectos apresentam uma geração anual. As fêmeas (estado adulto) emergem das galhas entre meados de Maio e o fim de Julho e têm um tempo de vida de cerca de 10 dias, durante o qual fazem várias posturas de 7-8 ovos por postura (no total pode perfazer mais de 100 ovos) no interior dos gomos foliares das plantas.
As eclosões das larvas dão-se ao fim de 30-40 dias. O seu crescimento inicia-se, muito lentamente durante o Outono e Inverno.
Na primavera, as larvas, dentro das galhas transformam-se em pupas (esta fase pode ir desde meados de Maio até meados de Julho). 


A dispersão é feita através do voo das fêmeas adultas, do vento ou da circulação de material infestado (plantas ou partes de plantas).
Meios de Controlo
Sempre que observar a presença da praga informe de imediato os serviços florestais da sua zona de residência para que em conjunto possam tomar as devidas precauções, que podem passar essencialmente pela luta cultural e biológica, por se considerarem as mais eficazes actualmente.
Luta cultural -  recomenda-se o corte e destruição das partes da planta atacadas, bem como a utilização de variedades resistentes à praga;
Luta biológica – o Torymus sinensis é um parasitoide específico da praga, pelo que a sua libertação em zonas infestadas, tem vindo a ser cada vez mais considerada na Europa.

Sabia que, com a aplicação OpenPD tem a possibilidade de solicitar alertas sobre “epidemias potenciais”?
Pode descarregar a app e ver mais em http://www.openpd.eu/.

Notas: 
Souto - Cultura de castanheiros conduzida em alto-fuste ou talhadia composta com o objectivo dominante de produção de fruto.
Castinçal - Cultura de castanheiros conduzidos em alto fuste ou talhadia, com o objectivo de produção de madeira.

Fontes:



0 comentários :

Publicar um comentário