Agricultura urbana – hobby ou necessidade?

Hoje em dia, é comum por todo o país (principalmente nas cidades do litoral) existirem as chamadas “hortas urbanas”.
E há as oficiais, isto é, aquelas que foram devidamente planeadas pelas Câmaras Municipais e outras entidades reconhecidas e as que surgiram de forma aleatória, à beira das estradas, nas rotundas e circunvalações, nos quintais outrora abandonados, …

Segundo Raquel Antunes Saraiva, na sua tese de Mestrado em “Gestão do Território”:
“A abertura dos mercados e o incremento da importação de produtos alimentares tem vindo a prejudicar quer o mercado local, quer a sociedade, devido aos custos ambientais, provocados pelas distâncias percorridas entre países, pela perda de oportunidades a nível das economias locais, extinção de variedades tradicionais, alterações da dieta alimentar, alterações na paisagem provocadas pelo abandono da actividade agrícola e agravamento da balança comercial. Deste modo, foi integrada a componente ambiental nas políticas urbanas para defender a criação de medidas de mitigação dos problemas apresentados, aumentando gradualmente a qualidade de vida dos seres vivos. A agricultura urbana revela-se assim, em pleno século XXI, como parte integrante do modelo de desenvolvimento da cidade. Deste modo, as hortas urbanas são uma estratégia a nível local e traduzem-se na forma espontânea de utilizar os espaços intersticiais das cidades, contribuindo para o valor estético da paisagem, controlo climático, espaço de recreio e lazer, abastecimento alimentar local e regional.

E se há quem faça da sua horta urbana, o espaço onde vai descontrair do stress do dia a dia, sem ter necessidade de ir ao ginásio ou ao psicoterapeuta, também há quem cultive o pedaço de terra que encontrou ou que lhe foi atribuído, para apoiar a sua economia doméstica.
Seja por um ou outro motivo (ou ambos), o importante é que não só os terrenos não ficam ao abandono, como se está a contribuir para o bem-estar físico da população, dois fatores importantes para o desenvolvimento saudável e sustentável da sociedade.

Compare as Kcal gastas em várias atividades físicas com a agricultura…
GASTO CALÓRICO DA ATIVIDADE EM KCAL/HORA (Calculado para uma pessoa de 70 kg) 
Andar de bicicleta
180 a 300 kcal/hora
Agricultura/jardinagem
530 kcal/hora
Caminhar rápido
520 kcal/hora
Caminhar devagar
240 kcal/hora
Computador
95 kcal/hora
Corrida
500 a 900 kcal/hora
Cozinhar
168 kcal/hora
Dançar
605 kcal/hora
Dormir
60 kcal/hora
Escrever
10 a 20 kcal/hora
Estudar
120 kcal/hora
Exercício leve
310 kcal/hora
Falar ao telefone
85 kcal/hora
Jogar vídeo jogos
108 kcal/hora
Jogar futebol
580 kcal/hora
Lavar louça
60 kcal/hora
Limpar a casa
300 kcal/hora
Natação
500 kcal/hora
Subir escada
1000 kcal/hora
Trabalho mental casa
60 kcal/hora






















A não ser que suba escadas a toda a hora, jogue como um profissional de futebol, corra como uma lebre ou dance, então, vale a pena fazer agricultura!

E com aplicação móvel OpenPD (http://goo.gl/809IES) para identificação das pragas e doenças das plantas tudo fica mais fácil ainda…


Fontes:
http://goo.gl/xv3gLN

http://goo.gl/i6l4EQ

0 comentários :

Publicar um comentário