Frutos silvestres – saiba mais sobre as caraterísticas culturais, pragas e doenças…

Na designação de frutos silvestres, frutos do bosque, frutos vermelhos ou pequenos frutos, englobam-se um conjunto de frutos de cor diversa (arroxeada, negra, vermelha, amarela e até branca) como por exemplo:
  • Amora-silvestre (Rubus fruticosus)
  • Framboesas (Rubus idaeus)
  • Groselha-espim (Ribes uva-crispa)
  • Groselha-vermelha (Ribes rubrum)
  • Groselha-negra ou cassis (Ribes nigrum)
  • Mirtilo (Vaccinium corymbosum)
  • Morango (Fragaria spp.)


A maior parte das variedades destes frutos dão-se melhor em locais bastante soalheiros e abrigados, podendo em alguns casos tolerar sombra parcial, preferindo solos profundos, com boa drenagem e pH próximo de 6,5.

Dica 1: Evite fornecer adubações muito azotadas, sob o risco de se favorecer o crescimento de folhas em detrimento dos frutos.



Para se fazer a instalação destes frutos, as plantas devem ser adquiridas num viveiro que garanta a ausência de pragas e de doenças. Se esse viveiro for de um país que não pertença à União Europeia, as plantas têm de vir acompanhadas de um certificado fitossanitário para que as mesmas possam entrar no país isentas de organismos patogénicos.


Sabia que?
A propagação de plantas a partir de estacas de um vizinho, por exemplo, pode levar à dispersão de organismos nocivos, cujo combate e controlo, a maior parte das vezes, é difícil e oneroso.

Existem várias pragas e doenças que afetam os frutos silvestres, algumas são as que a seguir se indicam:
  • Afídeos (várias espécies)
  • Ácaro-dos-gomos-da-groselheira (Cecidophyopsis ribis)
  • Cecidomídeo-da-casca-da-framboeseira (Resseliella thobaldi)
  • Lygocoris pabulinus (inseto que afeta as groselhas)
  • Nematus ribessi (inseto que ataca principalmente as groselheiras-espins mas também as vermelhas e as brancas)
  • Lagarta-das-framboeseiras (Byturus tomentosus)
  • Piscos 

  • Elsinoe veneta (este fungo afeta framboeseiras e amoras-negras)
  • Leptosphaeria coniothyrium (esta doença afeta framboeseiras e amoras-silvestres)
  • Míldio (Phytophtora spp.)
  • Oídio-castanho-da-groselheira (Sphaerotheca spp.)
  • Podridão-cinzenta (Botrytis cinerea)
  • Vírus (atacam principalmente as groselheiras-negras)
Dica 2: A rega deve ser feita de modo a não atingir as folhas e os frutos, dado que podem estimular o aparecimento de doenças por fungos.

Uma poda e formação adequadas são as melhores medidas para evitar problemas fitossanitários.
Se tiver uma gaiola de frutos grande, arranje espaço para colocar plantas atrativas que estimulem o aparecimento de insetos auxiliares.

Caso seja necessário recorrer ao uso de produtos fitofarmacêuticos, lembre-se que, todos eles são mais ou menos tóxicos relativamente à fauna auxiliar (joaninhas, crisopas, sirfídeos, abelhas, …), pelo que se torna importante não só o conhecimento dos respetivos efeitos secundários, como da necessidade da sua aplicação face ao Nível Económico de Ataque (NEA) das pragas.

Se tiver dúvidas, junte-se ao fórum da aplicação para telemóveis OpenPD, que apoia a identificação de pragas e doenças das plantas.
É uma app gratuita, fácil de descarregar e que está disponível na Google Play em https://goo.gl/np3zfd ou no site: http://www.openpd.eu/pt/inicio/.


Fontes:
A Horta e o Jardim Biológicos; Pears P. e Stickland S.; Publicações EuroAgro (Fev. 2006)
https://goo.gl/1Lc71I

0 comentários :

Publicar um comentário